C a r r e g a n d o . . .

22/03/2024

Dia Mundial da Água: finalização de 9 sistemas de reúso de águas cinzas

Para garantir o direito humano e constitucional de acesso à água no semiárido brasileiro, organizações governamentais e não governamentais têm historicamente proposto iniciativas de saneamento rural. Nos últimos 20 anos, o programa Um Milhão de Cisternas, da Articulação do Semiárido Brasileiro, ganhou destaque e tornou-se referência no campo do armazenamento de água para consumo humano.

Nesse contexto, e com o objetivo de abranger outros serviços fundamentais de saneamento, as iniciativas voltadas para o reúso de água cinza também estão começando a ganhar relevância. A água cinza é aquela proveniente de atividades domésticas cotidianas, como lavar louça ou tomar banho.

Assim, a WTT e organizações parceiras colaboraram em um projeto para aperfeiçoar uma tecnologia social para a reutilização segura da água para a produção agroecológica. O sistema de reutilização trata a água usada na casa (exceto a do vaso sanitário) e a redireciona para a agricultura praticada pelas famílias residentes. Isso garante água para consumo humano – com cisternas e outras fontes de abastecimento – e água para a produção de alimentos.

Março de 2024 é um marco importante para o projeto, com a conclusão de nove sistemas em três territórios no estado da Paraíba, beneficiando 40 pessoas. Esses sistemas passarão por um período de seis meses de análise e monitoramento antes de serem ampliados para beneficiar outras famílias da região.

Confira o vídeo do intercâmbio de agricultores visitando um dos sistemas,

O projeto é correalizado pela WTT, juntamente com importantes organizações que realizam trabalho de campo com as comunidades e famílias locais, incluindo o Centro de Ação Cultural (CENTRAC), o Programa de Aplicação de Tecnologias Apropriadas (PATAC), o Fórum de Liderança do Agreste (FOLIA), a AS-PTA Agroecologia, o Polo da Borborema e o Coletivo Regional das Organizações da Agricultura Familiar (Cariri, Seridó e Curimataú Paraibano). O Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada (IRPAA) e a Articulação no Semiárido Brasileiro (ASA) integram o braço de articulação e atividades técnico-formativas do projeto, enquanto a pesquisa e desenvolvimento da tecnologia são conduzidas pela Universidade Federal Rural de Pernambuco e pelo Instituto Nacional do Semiárido (INSA) através do Parque Tecnológico da Paraíba. O financiamento desta etapa do projetos é da Porticus.