C a r r e g a n d o . . .

01/03/2024

Passos fundamentais em Manaus para consolidação do bioplástico

Aconteceu, entre 27 e 28 de fevereiro, o encontro presencial do projeto Bioplástico, uma rica articulação de inovação colaborativa de impacto realizada entre diversas organizações que vão desenvolver o primeiro bioplástico feito a partir de resíduos da castanha-do-Brasil. A iniciativa tem como objetivo colocar em escala industrial uma alternativa aos produtos de origem totalmente petroquímica, ao mesmo tempo em que beneficia as comunidades amazônicas envolvidas na coleta do material através da geração de renda e emprego sem gerar danos à floresta.

Representantes de todas as organizações do projeto estiveram juntas em Manaus para uma série de conversas que definiram os próximos passos deste projeto inovador.

Um dos grandes resultados do encontro foi o interesse sólido da indústria no material que está sendo desenvolvido. Há uma crescente demanda no mercado por produtos mais sustentáveis e que possam ser competitivos com os materiais de origem petroquímica. Para dar vazão a essa demanda, ASPACS também irá consolidar o trabalho com as comunidades coletoras do ouriço na região de Lábrea, havendo grande expectativa de continuidade das relações comerciais entre indústria e comunidades e que o projeto siga um percurso de êxito.

O aumento do interesse da indústria e o fortalecimento do arranjo colaborativo se deu também pela oportunidade do encontro presencial em Manaus. A presença de três representantes comunitários no laboratório, na sala de aula e no chão da fábrica foi um diferencial  importante para que o propósito do projeto fosse reforçado. WTT conseguiu criar espaços de participação nos quais a realidade de Lábrea dialogou com a realidade da indústria e da academia.

Apresentação expositiva da ASPACS de Lábrea

Na manhã de terça-feira, foram apresentados detalhes do trabalho de campo da Aspacs em Lábrea e dos estudos da cadeia da castanha realizados pelo Idesam. À tarde, houve uma visita à fábrica da Tutiplast, parceira comercial do projeto, e mais uma rodada de conversas. Na quarta-feira, os debates se concentraram na UEA, com apresentação de resultados de P&D do projeto e organização de próximos prazos e metas.

 

Copo feito com bioplástico (20% do material é oriundo da fibra do ouriço); ouriço da castanha-do-Brasil e fibra do ouriço

 

Visita à fábrica da Tutiplast